Arquivo da tag: violência

MULHERES VIOLENTADAS: ISSO NÃO É TÃO SIMPLES ASSIM

Resultado de imagemA lógica do Marquês de Sade de que “(…) se eu exploro o outro ser humano no mercado ou no trabalho (…), por que não o exploraria na cama, em função das conveniências da minha luxúria, sem qualquer compromisso ético?”, foi claramente colocada pelo meu querido Leandro Konder, em seu livro “Flora Tristan: uma vida de mulher, uma paixão socialista” (RJ – Ed Relume Dumará, 1994).

Leandro começa o livro falando de violência, primeiro pelo campo da política, mas logo na segunda página surpreende trazendo o desejo (na visão de Freud) como um plano onde se manifestam muitas inumanidades. “Os indivíduos, em crescente número, vêm manifestando propensão a satisfazer seus desejos, seus ímpetos, em detrimento dos desejos e dos ímpetos dos outros”.

Daí que a conduta de Sade, em vez de ter se dissolvido ao longo de mais de duzentos anos, expandiu-se.Trago as palavras de Leandro para vocês, pois não me sinto no direito de modificá-las: “Se a relação sexual é apenas a ocasião em que um desejo particular usa outra criatura, cancelando sua subjetividade e reduzindo-a a ‘objeto’, ela passa então a ser mais um campo onde a proliferação da violência tende a se tornar incontrolável”.

Sim, são mais de duzentos anos de Marquês de Sade e sua forma de pensar que, no que este homem representava socialmente, chega a parecer algo refinado. Eis o ponto: vivemos num mundo onde tantos refinamentos puderam ser concretamente desenvolvidos, inclusive sobre a perene emergência do respeito às mulheres e também às crianças, mas que viraram uma espécie de poeira que some para quem está “do lado da força”, mas que gruda na pele de quem está a sofrer toda forma de violência, em especial a violência sexual.

E não se trata só de tarados e maníacos sexuais que atacam crianças, moças, mulheres e idosas num beco escuro pelo seu próprio descuido (aliás, isso me mata de ódio, textos e propagandas avisando como as vítimas podem se precaver de um estupro, como se uma mulher fosse estuprada porque permite, como se pudesse evitar tal fato). Temos uma juventude que mal saiu das fraldas cometendo estupros coletivos e vangloriando-se com filmagens, como esses caçadores que se fotografam com elefantes e onças mortas como troféus. Há também os homens que violentam suas próprias esposas e namoradas se, por ventura, não quiserem praticar sexo com eles ou apenas queiram parar a relação sexual no meio porque não estão gostando, porque ficou ruim  para elas. E isso para não falar dos homens que abusam de bebês, crianças, a maioria suas próprias filhas ou de outros; e até fêmeas de outras espécie animal (engraçado – na falta de uma palavra que dê conta disso – que até nesses casos o gênero influi).

Outro ponto trazido no preâmbulo do livro de Leandro: os homens não toleram que suas parceiras ou ex-parceiras, possam ter tido anteriormente ou mesmo durante seu relacionamento, outros homens, e “passam a ver no desejo livre do parceiro da relação sexual uma afronta insuportável, uma provocação que deve ser violentamente punida”. E a sociedade machista, e isso inclui muitas mulheres (machismo não trata de homens, gente!), também, aplaude a violência contra mulheres que “traem”, por exemplo. Flora Tistan, nossa heroína do livro e da História, diga-se de passagem, até tiros levou de seu ex-marido (vivia separada dele, mas era obrigada a manter-se casada, o que dava direitos a ele de maltratá-la e tudo aquilo mais que se conhece) que assim, finalmente, foi preso e ela pode viver melhor.

E ainda tem, mas aqui é por minha conta, o pênis punitivo/”educativo” para mulheres homossexuais. Aliás, queridos homens que pensam que mulheres homossexuais escolhem mulheres porque nunca viveram uma boa trepada com um macho: primeiro, que grande parte dos machos não trepa tão bem assim (conheço muitas mulheres que fingem durante o sexo para agradar seus machos que nunca saberão se elas fingem ou não, e talvez pouco se importem com isso); segundo, sua orientação sexual é uma opção que muitas vezes não tem nada que ver com machos, embora algumas vezes seja mesmo por traumas com os machos; e terceiro, nada! Danem-se vocês com suas sandices!

Mas Leandro, ao nos contar a vida de Flora Tristan, nos leva com ela por um caminho de muitas violências contra as mulheres e sua luta, “debruçando-nos sobre a história (…) precisamos revisitar espíritos inquietos cujas advertências talvez não tenham sido suficientemente bem aproveitadas e cujas lutas passadas talvez nos proporcionem elementos significativos para lutas que estamos travando agora”.

Eu e muita gente não aguentamos mais ouvir histórias escabrosas de violência contra as mulheres e meninas. E o pior é ouvir que ninguém aguenta mais essa militância, “que saco”, “chega, todo mundo sabe disso”. Chega é o cacete!!!!!

Leiam sobre Flora Tristan. Eu tive a sorte de ter ganhado o livro de presente de um novo amigo que, embora ainda me conheça pouco, parece ter conseguido ver minha alma ou aura feminista, ou as duas.

E termino este texto com mais de Leandro Konder: Violência “é a diferença que se explicita na forma de conflito; é a contradição que explode. Nenhum ideal idílico será capaz de suprimi-la”. Mas como Flora, acredito que “não podemos nos permitir uma postura contemplativa, de observadores resignados (…). Estaríamos acumpliciando-nos com a monstruosidade se achássemos que os atuais níveis de violência  e destrutividade (contra as mulheres, grifo meu) são ‘naturais”.

Obrigada. De nada.

2 Comentários

Arquivado em Comportamento, feminismo, Homem, Medo, Mulher, violência contra a mulher

APOIO À RIHANNA ou homem pode bater em mulher? (PARTE II)

Todo mundo tem uma história do tipo a mulher estar apanhando e alguém tentar fazer com que o homem pare e a mesma pedir que não se metam (detalhe: como se mulher gostasse de apanhar).

Mais uma vez trago esse tema, pela história que uma pessoa defensora dessa ideia me contou, como se fosse prova cabal de sua percepção:

Certa vez, uma mulher apanhava de um homem na rua e motoristas de táxi que estavam por perto tentaram apartar. Contudo, a agredida não permitiu a intervenção e saiu com o agressor, que continuava lhe batendo. Errado o agressor, errada a mulher, mas CERTOS os motoristas. Aliás, só homens podem parar com a agressão de outro homem. E ninguém é obrigado a ver alguém ser agredido, independente do agredido não querer que se intrometam.

E chamo atenção para o seguinte: muitas vezes uma mulher tem tanto medo do agressor que, mesmo com alguém a defendendo, ela teme apanhar mais depois, inclusive por isso: porque alguém a ajudou.

Como já disse, quando um homem está apanhando de outro e tentam separar e o agredido diz que não interfiram, ninguém fala “Tá vendo, Homem gosta de apanhar”!

Aplausos para os homens que impedem a agressão de homens, crianças e mulheres!

(Imagem: www.thesmokinggun.com)

2 Comentários

Arquivado em Comportamento

MULHERICE COMEÇA NA INFÂNCIA

Essa história é sobre ovos e escola. A inspiração veio diretamente dos EUA (verdade!).

Quando Valentina tinha apenas 9 anos, começou a sofrer uma espécie de bullying por parte de uma colega de sala. Ocorre que Valentina era muito mais bonita do que a outra e também muito querida pelos meninos da sala e também da escola. Mas até aí, tudo bem. Só que a colega começou a apertar o desconforto de Valentina, Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em Comportamento, Sentimentos, Uncategorized

APOIO À RIHANNA ou homem pode bater em mulher? (PARTE I)

Desde que a jovem cantora americana Rihanna decidiu reatar seu namoro/casamento com o cantor Chris Brown (para quem não sabe, ela foi vítima de agressão por parte dele, o que culminou numa separação), tenho notado várias piadas de mau gosto, mas apenas direcionadas a ela. E daí me pergunto: Por que ninguém faz piadinhas para o garotão “mamãe sou forte, bato em mulher?” Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Comportamento, Homem, Mulher, Sentimentos