Arquivo da tag: traição

MULHERICES, CINEMA 2 OU…


O que vou contar não sei se é mulherice ou outra coisa ou algo mais.

Assistindo ao filme “O que os homens dizem” ou, em espanhol, “Una pistola em cada mano”, há uma cena na qual um homem fala para um conhecido que sua mulher o está traindo. O outro lhe dizia que falasse com a mulher sobre o assunto, para encorajá-la, quem sabe, a tomar uma atitude, como separar-se dele. O traído disse: “- Nem pensar! Eu não vou falar nada com ela! Não quero que ela tome atitude nenhuma! Não quero me separar”!

Ao meu lado, no cinema, duas senhoras amigas estavam indignadas com a postura do cabra. Peraí! Um homem não querer separar-se da esposa que o trai seria um problema? Bem, para as duas mulheres, sim. Engraçado nossa dificuldade em ver o homem num papel quase de mulher, a sempre traída que reclama da amante, mas não se separa. Mas o cara simplesmente não queria perder a mulher. Ponto. Apesar de o filme ter uma aura de humor, nessa cena mesmo, havia um drama; e as pessoas riam no cinema, e eu, confesso, fiquei pensando na nossa disponibilidade de rir dos dramas da humanidade.

Mas, voltando às duas mulheres: sua atitude é mulherice ou machismo? Ou os dois?

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Comportamento, Homem, Mulher, Príncipes

E ELES FORAM FELIZES PARA SEMPRE… O livro PÁGINAS DE VALENTINA

 

Exibindo CAPA_Páginas de Valentina.jpgE eles foram felizes para sempre…

 Valentina nunca acreditou em príncipe encantado até conhecer Marcelo. A partir desse encontro, sua história se desdobra em crônicas, reunidas no livro “Páginas de Valentina”, que revelam as agruras e delícias da vida de uma mulher sensacional, alegre e sensível que sempre soube o que quer: ser feliz.

 Independente e bem resolvida na vida, a divertida Valentina adorava provocar suas amigas com o assunto sobre as princesas: “Será que a Branca de Neve não era feliz com os sete anões? Parecia que sim, apesar de ser discutível trabalhar como empregada doméstica de sete homens porquinhos. A princesa não demonstrava se sentir explorada, como se até fazer faxina fosse coisa molinha. E a Cinderela que também nunca reclamava de assoberbar-se, gente!”.

 

Assim é a personagem principal do livro Páginas de Valentina, de autoria de Claudia Medeiros, que se revela presente dentro cada mulher através de seu universo feminino peculiar povoado de mulherices (coisas de mulher) e homices (coisas de homem). E Valentina tinha uma convicção: a de que príncipe encantado não existe. Porém, num belo dia, após um encontro, isso de tornou uma dúvida seguida de muitas outras: o que é felicidade? O que é ser mulher? Somos princesas?

Carioca da gema, Claudia Medeiros é pedagoga e Mestre em Educação Brasileira pela PUC-Rio. Cheia de mulherices, adora Elvis Presley, Johnny Depp, Gene Kelly, filosofia, cinema, além dos autores Leandro Konder e Walter Benjamin. É autora do blog mulhericesblog.com que deu origem ao tema explorado em seu primeiro livro, Páginas de Valentina, no qual revela que o cotidiano de uma mulher é escrito por ela a cada dia e invadido por muitas histórias dos outros sobre as quais não se tem controle.

Princesas, príncipes… Tudo isso é parte de um ideário coletivo que, mesmo criticado, vai nos constituindo como sujeitos… Daí que quando um homem tem traços de um príncipe, seduz. Até mesmo a descrente Valentina. E o que as histórias de Páginas de Valentina pretendem mostrar é que a vida das mulheres não depende de um (muitas vezes aparente) campo afetivo de sucesso para que sejam felizes ou respeitadas. Que podemos ir muito além do estereótipo de princesas à espera de um príncipe encantado, pois há uma vida cheia de desafios, boas surpresas e alegrias que independem da presença de um homem. Além disso, olhar com mais senso de humor os dramas do cotidiano feminino”, conta a autora.

  

“Páginas de Valentina”, de Claudia Medeiros – Editora Multifoco

Lançamento: dia 14 de fevereiro (sexta-feira), às 19 horas

Local: Livraria da Travessa, Rua Visconde de Pirajá, 572 – Ipanema – Rio de Janeiro – RJ

Preço: R$ 36,00

À venda nos sites  apartir de 14/2: www.travessa.com.br, www.livrariacultura.com.br e http://www.editoramultifoco.com.br

 Mais informações à imprensa:

Andréa Dias – 21 981442702 / andreadias@percursocom.com

Deixe um comentário

Arquivado em Amor, Comportamento, Dinheiro, Felicidade, Homem, Medo, Mulher, Príncipes, Princesas, Sentimentos, Sexo

QUESTÃO DE EGO FORTE, SUPEREGO FRACO OU ID IDIOTIZADO?

Ouvindo Caetano hoje, disco “Velô”. “No que ela fez isso comigo / Era nunca mais ser seu amigo / Nem inimigo / Nunca mais namorado / Apaixonado / E eu e eu e eu sou / E eu e eu e eu sou”. Caramba Caetano, já havia me esquecido dessa… Mas de que amamos quem não nos merece, dessa é impossível esquecer. Aí penso que o fato de não deixarmos de gostar do outro, ou melhor, achar que gostamos, o que é bem diferente, envolve simplesmente nosso EGO. Digo EGO, pois o SUPEREGO fica incapaz de agir nos impedindo de ficar nesse tipo de situação. Mas por quê? Ele que nos impede até de fazer sexo com o Johnny Depp num sonho de nada, não nos faz parar de ficar atrás de quem não nos merece?

“No que ela não quis o meu risco / Era soprar do olho esse cisco / Que eu já nem pisco / Não dar mais energia / Minha alegria / E eu e eu eu dou / E eu eu eu dou”. Parece que uma espécie de cegueira nos impõe essa condição de não ver bem que o outro/outra não nos quer. Mas será que queremos mesmo esse outro ou é o caso de não estar mais no foco do outro que nos impele para ele? Como disse, o EGO fica tão ferido que o SUPEREGO não consegue nos censurar. E o ID nisso? O que está na nossa constituição de sujeito que o ID parece deixar sua marca na nossa idiotização, mas para apenas algumas pessoas? É, o ID é seletivo, também, como o SUPEREGO, desconfio, já que não são para todos que nos damos o trabalho de sofrer e querer a qualquer custo.

É Caetano, não sei que força tem o EGO quando um SUPEREGO deveria atuar em toda sua potência, coisa que não acontece sempre. Mas nessas situações em que ficamos que nem um imbecis “apaixonados”, eu realmente não sei o porque da fraqueza do SUPEREGO. E aí ficamos no lamento e nas atitudes burrinhas… “Mas se ela não quis meu sorvete / Por que gravá-la em videocassete / Jogar confete”. Obrigada pela inspiração, Caetano!

Deixe um comentário

Arquivado em Amor, Comportamento, Felicidade, Homem, Medo, Mulher, Sentimentos, Uncategorized

UMA VINGANÇA, UMA MULHERICE

“Vingança é um prato que se come frio”. Será?

Era uma vez uma mulher chamada Marisa cuja amiga, Luana, a procurou para contar uma coisa horrorosa: que uma colega transou com seu namorado no carro dela, Marisa!!!!!

“Juraaaaa?!?!?Que cretinooooooooo!!!! E o pior que foi verdade”! Marisa se lembrou atá da noite em que emprestou o carro para o cabra que disse que ajudaria a mãe a fazer não sei o que. “Mas como você soube, Luana”? “A Mônica, minha colega me contou, a própria! Ela não sabia que ele era seu namorado, mas viu no carro as fotos de suas filhas naqueles imãs. Ela só te viu uma vez na vida, lembra? Eu, você e as meninas estávamos na praia quando ela veio me cumprimentar, mexeu com elas… lembrada agora”?

 Marisa ficou com aquela ideia fixa que só o ódio e o ciúme conseguem produzir. Ficou pensando em como faria para se vingar. Quando o cara ligava ela mandava a empregada dizer que estava dormindo, que saiu… Celular ela atendia com uma desculpa para desligar logo, não queria que a raiva passasse. Quando sentia que ia passando, tratava de lembrar de tudo!
Um dia encontrou um amigo de infância tão danado quanto ela. Planejaram uma vingança meio perigosa, mas para ela, à altura. Saíram vestidos de preto tipo umas 2 horas da madrugada. Acharam o carro do “féla”, estacionado. Se encostaram no mesmo como se estivessem namorando. Enquanto fingiam se beijar, o amigo jogava diluente de tinta de carro no teto e o líquido corria tanto para o capô quanto para a mala. Depois picharam o carro com ofensas.

No dia seguinte, o (ex) namorado procurou por Marisa espumando de raiva. Ela, muito calminha por fora (“Segurei a onda, Luna, tipo criminal!”), Ele disse: “Marisa, você é um desperdício para a Globo! É uma atriz! Para não dizer outra coisa, sua pilantra”!

“Luana, eu neguei, neguei e neguei! Essas coisas a gente nunca diz que fez! Eu sou daquelas que se o cara me pegar dando um beijo em outro eu nego! Faço que nem homem! Nego”! Luana, agora vendo que a amiga estava vingada, ou melhor, sentindo-se assim, contou-lhe os detalhes do que ocorrera dentro do meu carro naquela noite cretina.

Marisa ainda curte a vingança com o amigo. Aliás, passaram a namorar. Para ela, deu tudo certo. Mulherice muito, muito discutível…

4 Comentários

Arquivado em Comportamento, Homem, Mulher, Sexo

SOBRE HOMICE – AMÁLIA RODRIGUES

Amália Rodrigues era uma cantora portuguesa de fados com voz poderosa e lamuriosa, conforme esse tipo de música pede. Na casa de Valentina havia um disco seu, com ela na capa, sem dúvida era uma mulher bonita e interessante.

Nos fins-de-semana, o pai de Valentina passava horas escutando aqueles fados no volume máximo, obrigando todos a ouvir. Ficava de olhos fechados, com a cabeça apoiada nos dedos de uma das mãos, daquele jeito dramático que só ele tinha. Hoje já sabemos que ficava sonhando com a cantora, pois já no final de sua vida contou a seguinte história:

“Certa vez eu estava em São Paulo e fui a um show da Amália Rodrigues. Era um teatro com palco baixo e mesas. Ao final do show, ela sempre escolhia um homem da plateia para jantar com ela, e EU fui um desses escolhidos!”, se gabava, como se não tivesse só jantado com ela. Homice pura!

É muito provável que essa história, de tanto ser sonhada por ele, acabou tornando-se realidade, pois pelo que se sabe, Amália era gay; além disso quando, na década de 70, uma mulher que não era sequer atriz de Revista ou de um cabaré, convidaria um homem para lhe acompanhar num jantar após o show, fato comunicado logo de início. Bem, verdade ou não, era assim que ele contava.

Nossas vidas são repletas de sonhos, alguns se realizam, outros não. Nem que sejam em meio a uma bruma que esconda a realidade nunca conhecida na carne, mas na alma e no coração.

(Imagem: www.discosvinil.com.br)

2 Comentários

Arquivado em Comportamento, Homem

MULHERICES EM COLATINA

Hora do almoço, restaurante a quilo em Colatina, ES. Mesas lotadas, encontrei uma com dois lugares e os outros dois ocupados por moças bem vestidas, maquiadas e bonitas, lá com seus vinte e poucos anos. Conversavam sobre não dar mole para homem, bem como no texto que já escrevi sobre pagar para homem. Falavam que homem, se a gente deixar, se encosta mesmo, que uma amiga deixou o cara ir morar na casa e agora ele não quer sair e, pior, desempregado (mas já era assim antes).

Eu, com essa lupa de buscar mulherices, não aguentei e pedi licença para entrar na conversa e disse: “Homem desempregado, sem grana, para quem quer algo mais na vida, é melhor nem começar”! As duas, com aqueles olhos que só a juventude tem, me olharam e imediatamente concordaram comigo. E a nossa conversa não parou enquanto havia comida em nossos pratos.

Assuntos mais cheios de mulherice, impossível: “um homem que faz algo com uma mulher, como trair, por exemplo, vai trair depois, também”? “Mas como saber se o cara vai fazer algo com a gente depois”? A essa última, lembramos que há vários sinais, salvo que o cara seja um psicopata ou um canalha mais do que profissional. Os que agridem, por exemplo, se pode perceber como tratam as pessoas, outras mulheres, ou a nós mesmas; gritam, arrancam coisas de nossas mãos, nos chamam de idiotas… E isso é no começo! Então, é melhor parar, pois a tendência é piorar. Uma delas disse que tem uma amiga cujo marido não permite que ela faça nada, hoje nem amigos mais tem. Que no início do namoro ele era um pouco assim, mas hoje está insuportável. Era disso que falávamos. Há sinais, mas o que é  que queremos, de fato, enxergar?

Pois é, as moças sabiam bem o que queriam dos homens, e na lista estavam incluídos não matar, não nos roubar, não nos trair, não nos agredir, não nos cercear. Amei esse momento com elas, com moças de uma cidade do interior do Espírito Santo, empregadas, arrumadas, bonitas, cheias de vigor. E o melhor, tão certas do que deve ser uma relação saudável com um homem.

(Imagem: www.sabrinamix.com)

2 Comentários

Arquivado em Comportamento, Dinheiro, Homem, Mulher

PULOU A JANELA E FOI SE VINGAR

Ela já tinha 47 anos quando fez uma coisa de adolescente: fugiu pela janela à noite para encontrar um ex-amor.

Num misto de vingança com curiosidade, decidiu ligar para um ex-namorado, daqueles que a gente nunca esquece. O marido a traía muito, vivia meio cansada disso. E armou um plano perfeito.

 Saiu de tardinha e voltou após o marido já estar em casa, de modo que a visse estacionar na porta (antes, pedira à filha de 20 anos para estacionar o carro da mesma na rua de trás; a filha era de seu primeiro casamento).
Entrou toda alegrinha, jantaram, tomou banho e depois disse ao marido que iria dormir com a filha a seu pedido, pois queria que assistissem o filme “As Pontes de Madson”, juntas. O cara, nem aí. Deve ter gostado, pois ficava horas vendo futebol na cama.
Ela então se pintou, se perfumou e pulou a janela do quarto da filha, o carro devidamente preparado para a fuga. Passou a noite toda fora. Quando chegou, o dia quase amanhecia, a rua vazia, fazia frio. Entrou pela janela, colocou o pijama que nem o Super Homem faria após salvar a vida de alguém pela noite; e foi fazer o café da manhã para todos.
Ria por dentro, mas ao mesmo tempo sem saber se agira direito, especialmente com a filha, obrigada à cumplicidade. Mas aquilo não se tratava de moralidade, mas de mulherice!

2 Comentários

Arquivado em Amor, Comportamento, Homem, Mulher, Sentimentos