Arquivo da tag: justiça

FABÍOLA, VELHOS TEMAS, VELHAS HISTÓRIAS

Na verdade não se trata de algo velho, como se estivesse ultrapassado. Talvez a palavra seja “recorrente”. Sim, recorrentes são os temas que tratam do respeito que mulheres, pelo simples fato de serem pessoas, merecem. O filósofo já dizia que se queremos saber como são as relações de respeito numa sociedade, vejamos como são tratadas as mulheres e as crianças. E ainda mais outro autor, dentre os meus queridos, Charlot, que diz mais ou menos assim: mas se falta algo para as crianças, é porque está faltando também para todos.

Então, achar que Fabíola merecia apanhar do namorado e ainda ser filmada por um terceiro que acha a mesma coisa, é assunto recorrente. E o pior, a história de Fabíola virar chacota. Grande parte das pessoas (homens e mulheres) acha que ela mereceu. Ou seja, todas as mulheres merecem apanhar porque traíram seus machos. Como assim?

No século XVII, meninas adolescentes e crianças que eram obrigadas a se casar com homens (às vezes muuuito mais velhos) poderiam apanhar dos mesmos se não os obedecessem (ordem dada por seus pais ou preceptores) ou fizessem birra (um comportamento esperado de pessoas de pequena idade). Essa ideia de punir mulheres e crianças passa pelo mesmo ponto; há ali um ser da insanidade, da imaturidade, da irresponsabilidade, enfim, um ser que precisa ser enquadrado. E ai daquela que não obedecer, “que não se der ao respeito”.

Porque traiu, Fabíola não se deu ao respeito. Se fosse seu namorado, a carne dele era fraca. A tese de que o homem é o grande fecundador parece dar conta de sua carne fraca, como se isso fosse de sua natureza. Mas se fosse simples assim, mulheres estariam a todo momento, ou minimamente em seu período fértil, procurando o melhor macho para procriar, e sabemos que machos Alfa estão por aí, aos baldes . E como nem todos os homens possuem esse furor por qualquer fêmea, aliás eles as escolhem por alguma razão, e nem todas as mulheres buscam por esse parceiro ideal a cada ciclo, a teoria não cabe. Dessa forma, não cabe execrar Fabíola. Mas cabe execrar o namorado e o amigo câmera, esses sim estavam cometendo crimes.

Lamento, de verdade, que achemos Fabíola merecedora de ser punida já que desobedeceram a regra que nem a natureza valida: só pode ter um macho, mesmo que seja uma bosta. Espero que ela e sua família processem todas as pessoas que validaram a violência contra ela, socialmente. E isso sem falar no que pode acarretar para a própria sobrevivência dela, em termos econômicos, podendo sequer arranjar emprego, pois vivemos num mundo machista.

Fabíola, espero que você fique o mais bem e seus amiguinhos ridículos paguem por isso. E também vê se dispensa o amante, outro idiota. Mas voltando ao início do texto: o que falta para uma pessoa na sociedade, é porque falta para todas.

Que seja feita Justiça todos os dias, em especial a mulheres e crianças.

Deixe um comentário

Arquivado em Comportamento