Arquivo da tag: aprender

RAPIDINHA 43 – mimada x dengosa

Você sabe a diferença entre ser mimada e dengosa? Taí!

Essa eu ouvi de um homem quando eu falei que talvez eu fosse uma mimada.

“Nã-nã-não! Você deve é ter recebido muito dengo nessa vida e ficou foi é dengosa, você não tem nada de mimada! Uma mimada não tem posições fortes diante da vida”!

Tá vendo como a gente se engana?

2 Comentários

Arquivado em Comportamento, Homem, Mulher, Princesas

BASTA UM PAR DE BOTAS OU DE TAMANCOS

História 1: Quando entrou no quarto e acendeu a luz, PUFF! queimou! Ai, tem coisa mais chata do que lâmpada para ser trocada por uma mulher que  não tem homem em casa, ou melhor, que só tem homem fora de casa? Deixou para o dia seguinte, pois no quarto tudo parecia estar pintado de negro e todo seu potencial tátil foi colocado à prova.

De manhã pegou a escada, mas ela só tinha 1,52, e o teto era muito alto. Faltavam quase  dois palmos para alcançar o lustre. Eis que entra no quarto, descabelada e recém acordada,  a filha moça. Já mais alta do que a mãe (tinha 1m65), disse que trocaria a lâmpada. Subiu a escada, mas ainda faltava uns 15cm. Colocaram uma das antigas listas telefônicas e ainda não dava. E uma ideia luminosa se acendeu: “Coloca aquela minha bota bem alta”!

Em cima de uma escada, de botas de salto e pijaminha cor-de-rosa, uma moça trocou a lâmpada. Às gargalhadas, a mãe amava a cena. E a filha ainda fez um “Tharam!” acompanhado de pose de Gogo Girl!

 

História 2: Doida para prender uns quadrinhos na parede tentando mudar um pouco a casa após a separação, comprou uns preguinhos de aço na loja de ferragens perto de casa e subiu faceira. Depois de medir e eleger onde seriam colocados  os quadros, lembrou-se que não tinha martelo. Desanimou por segundos, até se lembrar de um par de tamancos porreta que tinha, bem pesadão.

Para que homem dentro de casa se eu tenho um par de botas e um de tamancos?

 

 

 

 

3 Comentários

Arquivado em Comportamento, Mulher

POR CAUSA DE UMA CAIXA DE FOTOGRAFIAS

Com seus 48 anos, Paola, ao achar uma caixa com fotografias de quando tinha uns 38 anos, não gostou nada do que deixou acontecer com seu corpo durante esses dez anos: engordou, deixou de pintar os cabelos e desenvolveu uma espécie de clausura. Nas fotos aparecia de shortinho regando o jardim de uma prima que morava em New Jersey (EUA), ria toda alegria e graciosidade, a pele sempre bronzeada…

Logo depois desse choque de tristeza consigo mesma sentiu a jugular pulsar: “Não quero mais ser o que vejo de mim hoje no espelho. Basta”! E lá se foi! Dieta, retorno à yoga ashtanga e, para completar, Deus deu uma “forcinha de nada”: colocou um namorado bacana em seu caminho.

Partiu Paola! Agora caminha como se estivesse sempre de shortinho.

(Imagem: flores.culturamix.com )

4 Comentários

Arquivado em Comportamento, Felicidade, Mulher

SUGESTÃO DO DIA

Certa vez, saí para jantar pela primeira vez com um cara que disse meio que estranhando o fato de eu estar comendo, com vontade, uma comida que estava maravilhosa: “Mas você come, hein”?! “Como assim?”, perguntei, já achando que o cara estava me chamando de grosseirona. “É que mulher geralmente come pouquinho, diz que tá sem fome, sei lá. E você pediu uma pasta e a está comendo com tanta apreciação e prazer que eu ainda não tinha visto numa mulher, juro”!

Sugestão do dia: coma e beba  o que quiser, estale a língua se estiver gostoso, fique à vontade, nem que seja para aproveitar a comida se o cara se revelar desinteressante. Nada de ficar tensa, parecendo “fina” em excesso (hei! finesse, só se for natural seu, do contrário fica artificial). Ser a gente mesma é a melhor coisa para a gente mesma. E se dizem que devemos ser, em primeiro lugar  nossa melhor companhia, imagine para os que estão conosco.

Pois é, cansei de ver em mesas ao lado da minha, casais que pareciam não ter muita intimidade, pois a tensão da mulher é algo muito notado, ainda que sutil (mas eu tenho essa mania horrorosa de reparar nos outros…). Vejam essa história:

Na mesa ao lado no restaurante, um jovem casal jantava. Pareciam recém casados. 1º, porque não tinham mais de 25 anos. 2º, porque a aliança parecia haver sido lustrada antes de saírem de casa. Eram bem brancos, gordinhos, ela era loira e ele nem tanto. Ela era quem menos estava à vontade, com cuidados para cortar a carne, uma tensão muito tênue a envolvia. Ele, como a maioria dos homens, comia solto, tensão zero, apetite 10.

Quando falo que era notória a falta de intimidade, é porque além de quase não conversarem (só falavam e, muito pouco, sobre a comida), embora para nada com cara de chateados, a não ser que disfarçassem muuuito bem, o que não me pareceu, não trocavam carinhos e a moça e seu modo de comer, cheio de dedos, fechava o quadro. Me pergunto: por que há tantos casais sem intimidade? Ou seriam as mulheres com sua tensão, seu desconforto disfarçado que só o faz ficar mais à mostra, deixam isso transparecer?

Moça da mesa ao lado, relaxa! Estala a língua!

2 Comentários

Arquivado em Comportamento, Homem, Mulher

HOMEM EXPLICA PORQUE MULHERES GOSTAM DE HOMENS QUE AS FAZEM RIR

Um amigo meu, sagitariano, logo do tipo “falo o que penso e não ligo se a mulher vai se achar, pois o que me importa é ser verdadeiro”,  disse algo lindo para sua nova namorada, escorpiana, logo especial e misteriosinha (o “sinha” é por conta de suas graciosidade e brejeirice serem maior do que a penumbra peculiar do signo de Escorpião). Vejam que lindo:

“Sempre achei estranho ouvir mulheres que dizem: quero um homem que me faça rir. Mas agora entendi: descobri que adoro ter uma mulher que quando sorri tudo se ilumina, e isso me faz sorrir”.

Seu nome é Alexandre, mas no momento está (muito bem) comprometido.

 

2 Comentários

Arquivado em Comportamento, Homem

RAPIDINHA PORNÔ – 42ª

A amiga de uma amiga lhe contou que media os pênis de todos os homens com quem saía para ir calculando quantos quilômetros de sexo havia percorrido. E ainda dizia: “isso sem contar o entra e sai”!

(Imagem: detonandoamatrix.wordpress.com )

2 Comentários

Arquivado em Comportamento, Mulher

PORQUE TODA MULHER PRECISA SABER LER

Essa é a história de Maria, mulher de trinta e poucos anos que morava numa favela em São Paulo. Como muitas pessoas de sua comunidade, ela era analfabeta.

Um novo professor fora chamado na escola e lhe peguntou por que ela queria aprender a ler. Maria respondeu que gostaria de saber o que estava escrito em bilhetinhos que às vezes encontrava nos bolsos do paletó do marido. O professor pediu que ela lhe trouxesse um dos bilhetes.

No dia seguinte ela trouxe, e disse ao professor que lhe dissesse o que estava escrito e ele, como bom alfabetizador, lhe responde: “Quem vai ler isso é você”! Em menos de 3 meses Maria aprendeu a ler.

E separou-se.

(Imagem: rebiscoito.com.br )

2 Comentários

Arquivado em Comportamento, Homem, Mulher, Sentimentos, Uncategorized