Arquivo do mês: dezembro 2014

PREVISÕES DE REALEJO

Ainda era criança, nem pensava no futuro. Therezinha bem menina, voltava para casa caminhando com o pai no calor que subia das calçadas do Méier, onde morava.

Ao lado do portão de sua casa estava um Realejo. Quando ela chegou perto, logo o periquito, ao som da música singela, apanhou hum cartãozinho e lhe entregou: “TERÁS PAPEL IMPORTANTE EM TUDO QUE VIVER”.

O pai, homem sensível e dado à ternura pegou 20 centavos de Réis e pagou ao homem. O periquito agradeceu.

E Therezinha, a partir daquele momento, começou a prestar atenção ao que ocorria e, até hoje, aos 79 anos, ainda se põe inteira, tendo um papel importante em tudo a que se dedica. E também acredita na magia do Realejo.

Fecho 2014 com essa história querida. Que pena que nunca mais vi um Realejo …

Deixe um comentário

Arquivado em Felicidade

Os números de 2014

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

Um comboio do metrô de Nova Iorque transporta 1.200 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 4.300 vezes em 2014. Se fosse um comboio, eram precisas 4 viagens para que toda gente o visitasse.

Clique aqui para ver o relatório completo

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

JIU-JITSU

Buscou o jiu-jitsu porque decidira aprender a se defender. E lá foi Cristina, quimono novo, queria um assim meio lilás, mas o mais diferente que encontrou foi um azulão, e acabou preferindo o branco, já que estava bem bronzeada. 1ª mulherice. E começou.

Todos os dias em que voltava para casa fazia demonstrações para os filhos e o marido dos golpes iniciantes. Adorava essa coisa de ser fodona, mas com aquele quê de mulherzinha.

Um dia aprendeu como se desvencilhar de um meliante que tentasse enforcá-la.  De noite, as irmãs foram visitá-la e ela logo foi para suas demonstrações, o que aliás todos adoravam. Pediu para uma das irmãs: “Vai, vem me enforcar!” A irmã voou no pescoço dela que não teve como se defender, já que o golpe solicitado foi muito ligeiro. Ela então disse: ‘- Calma, faz devagar, né? Como é que você quer que eu me defenda se for rápido?”

Todos morreram de rir. O jiu-jitsu não durou muito,não.

4 Comentários

Arquivado em Comportamento, Mulher