BRUXO OU PRÍNCIPE? VALENTINA ESTÁ DE VOLTA

Valentina, a heroína deste blog (se você não a conhece, procure-a nos primeiros textos), um dia teve seus 28, 30 anos. Há uma de suas histórias que se repetem em outras mulheres, como a de quando era casada com um músico de jazz (ela sempre gostou de homens diferentes e cheios de orgulho de si). Ele saiu sozinho e voltou de carona com uma mulher.

Segundo ela e outra amiga minha, casar com músico é geralmente uma furada. São homens muito cheios de si, cabeções; mesmo quando feios a mulherada cai em cima; quando sem grana, então, sobra para a mulher de quem exigem ação. Ainda quando duros e feios são muito vaidosos, que dirá os bonitos e ricos. Vains, como já cantava Carly Simon para Mick Jagger, em sua música intitulada You’re so vain.

Tony, chamemos assim o marido de Valentina, não era grande coisa fisicamente, muito pelo contrário. Mas era inteligente, de fala eloquente, culto, talentoso e competente ao fazer música, sem sombra de dúvidas. Mas, se achava “a bala que matou o Kennedy”. E Valentina, apesar de linda, charmosa, talentosa e parceirona dele, talvez pudesse ter passado pela vida sem essa, ou melhor dizendo, ter se comportado de outra maneira naquele casamento.

Um dia Tony comunicou que iria a um almoço. Comunicou. Não convidou Valentina. Ela se lembra de ter ficado na janela desde as 15 horas para ver quando chegasse, o que só ocorreu perto das 20 horas. Detalhe: Tony veio de carona com uma mulher a quem beijou na boca e abraçou ao saltar. Valentina sentiu seu coração palpitar na garganta, mas não de ódio, pois ela nunca fora irada, mas de indignação, ciúme, baixa estima, enfim, sentindo-se traída, deixada de lado.

Quando Tony abriu a porta ela, com a boca branca, que é como geralmente ficava quando consternada, perguntou “Quem era aquela mulher que você beijou”?! Sabem o que ele respondeu? “Que mulher”? E negou até o fim. Negou tanto que Valentina chegou a ficar na dúvida se ele havia mesmo chegado à companhia de uma mulher e se havia visto mesmo o beijo…

Homices à parte, tal como negar, ficar calado, por que ela ficou na janela tantas horas? Essa história é verdade, pessoas; só está na carne da Valentina para lhes ser contada. O que faz uma mulher, ainda por cima sensacional, ficar como uma Rapunzel, no alto da Torre, prisioneira de um bruxo? Pois príncipe, embora ela tentasse vê-lo assim, ele não era não.

Valentina poderia ter saído, divertido-se com amigos, ido ao cinema ou ficado em casa, mas cuidando de si mesma. Ou não ter ficado mais casada com Tony, o que de fato bem depois aconteceu. Apostar numa relação sozinha não deve ser o melhor caminho. E apostar tudo que sem tem, especialmente a dignidade e a autoestima, menos ainda.

 Mas a pergunta que fica é: Valentina estava mal por que Tony não era o príncipe que ela idealizara, ou porque ela não era mais a princesa que julgava ser? O problema é o bem que alguém lhe fez um dia… já dizia minha sábia mãe…

(Revisão: Ney Flávio Meirelles)

(Imagem: pablocapistrano.com.br. É uma tela aravilhosa de Hooper, pintor americano, Mulher na janela)

Anúncios

4 Comentários

Arquivado em Comportamento, Homem, Medo, Mulher, Princesas

4 Respostas para “BRUXO OU PRÍNCIPE? VALENTINA ESTÁ DE VOLTA

  1. Dully Pimenta

    Excelente texto!

  2. Guiva Guive Me

    Acho que ela ficou na janela pra ter certeza de que o marido era um tremendo “SAPO”!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s